Workshop com Cláudio Edinger na Pousada dos Anjos

                    

 

Pousada dos Anjos – o rancho das redes

Entre São Paulo e Rio de Janeiro, a 10km de Cunha e 33km de Paraty; próxima a praias e ilhas espetaculares, no frescor das montanhas, banhada pelas nascentes do rio Paraibuna vai acontecer nos dias 5,6 e 7 de novembro na Pousada dos Anjos do fotógrafo Marcos Santilli o “Workshop Psicologia e Arte do Portrait” com o fotógrafo Cláudio Edinger.

            Um bom retrato é função de três elementos: expressão e linguagem corporal, enquadramento (o que inclui escolha de um fundo) e iluminação.Assim, será mostrado como fazer retratos convencionais e não- convencionais. No Workshop vai acontecer aulas práticas, realizando retratos pelas ruas de Cunha.

            O Workshop vai tratar da psicologia do retrato e ensinará os vários tipos de iluminação – luz ambiente e artificial, flash portátil e luz incandescente.

Programação do Workshop Psicologia e Arte do Portrait

Sexta – Dia 5/11

19h) Jantar na Pousada

21h) Palestra e projeção

 Sábado – Dia 6/11

9h) Atividade Prática

13h) Almoço na Pousada

15h) Atividade de campo

19h) Jantar Livre

 Domingo – Dia 7/11

9h) Análise de trabalhos

13h) Encerramento

 

 

Sobre Cláudio Edinger

foto: Claudio Edinger/Ímã Foto Galeria

Estudou com o grande retratista americano Philippe Halsman e morou em Nova York durante 20 anos ganhando a vida criando retratos e capas para revistas como Vanity Fair, Time, Newsweek, Fortune, Forbes, The New York Times Magazine, Details, e muitas outras. Profissional desde 1975, Edinger leciona desde 1979 e é autor de 13 livros fotográficos, diversos deles premiados internacionalmente. 

SERVIÇO:

Informações e inscrições: Pousada dos Anjos
Site: www.pousadadosanjos.com.br
E-mail
: contato@pousadadosanjos.com.br
Tel
: (12) 31118019 // 96060836
Rodovia SP – 171 (Cunha – Paratt Km 57)
Valor: R$ 795,00
Vagas: 20 participantes

História da Pousada dos Anjos

História da área que hoje abriga a Pousada dos Anjos perde-se nos tempos. O local já era pouso na trilha utilizada pelos índios Goianás em trânsito das montanhas para o litoral.A passagem estratégica foi ensinada aos portugueses no século XVI, que dela se utilizaram durante todo o período colonial como acesso ao interior do Brasil.O nome desta primeira parada da trilha dos Goianás foi anotado como Pouso Pareçam pelos primeiros viajantes portugueses a deixarem registro escrito.

A trilha dos Goianás tornou-se o melhor trajeto Rio-São Paulo-Minas, dadas as dificuldades da subida da Serra do Mar por São Vicente e a presença de piratas naquelas águas.O Pouso Pareçam era parada obrigatória de exploradores, missões religiosas, de apresamento indígena, sertanistas e aventureiros em busca de metais preciosos. A descoberta sucessiva das inúmeras lavras de ouro que povoaram Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso, fizeram da Aparição um delta logístico de transporte, comunicação e controle fiscal.

Mais tarde, o outro ouro, o ouro negro, o café consolidou a forma e o traçado de centenas de cidades e estradas de nossa geografia, novamente convergindo na Aparição, parada de tropeiros para todo embarque e desembarque via Paraty.O primeiro registro desta viagem foi a publicação ‘Vária Fortuna e Estranhos Fados’ do inglês Anthony Knivet, membro da tripulação do famoso corsário Thomas Cavendish que tomou e saqueou o Porto de Santos e a Vila de São Vicente na noite de Natal de 1591. Em 1592, em nova e fracassada tentativa, Knivet, ferido, foi abandonado na ilha de São Sebastião. Preso e escravizado pelo governador Martim Corrêa de Sá, torna-se escrivão de várias expedições e narra pela primeira vez a subida da serra por Parati em 1596, numa expedição com 700 portugueses e 2.000 índios para combater os Tamoios. Segundo historiadores, acamparam na Aparição:… um selvagem de nome Alécio (…) trouxe consigo oitenta flecheiros, e ofereceu-se a acompanhar o capitão com os seus. Pusemo-nos, pois, a caminho pelos montes. Na noite seguinte (na Aparição) vendo o capitão que Alécio estava deitado no chão, tomou-me a rede em que eu tencionava dormir, e a deu-a ao índio, de modo que tive de resignar-me a pernoitar no chão. Queixando-me desse procedimento injusto do capitão para comigo disseram-me eles que o pai do capitão me havia mandado a esta jornada para dar cabo de mim, ao que observei que far-se-ía a vontade de Deus.

Por volta de 1660, Salvador Correia de Sá, então Governador das Minas, deu a ordem de abrir e descobrir oficialmente a estreita trilha dos Goianás, futuro Caminho do Ouro e Estrada Real.O ‘Itinerário Geográfico’ composto em 1717 por Francisco Tavares de Brito, enviado por Alexandre de Gusmão para mapear as terras portuguesas e preparar negociações diplomáticas com a Espanha, relata: ‘… A esta vila (de Guaratinguetá) vem dar o caminho de Parati que chamam de Caminho Velho; e que sai de Parati, vem ao Bananal (Fazenda Muricana), sobe a inacessível serra e descansa na Pareçam’.O historiador José Luiz Pasin define Pareçam como: Bairro rural do município de Cunha, no alto da serra, pouso obrigatório para todos os viajantes que subiam de Parati para o Facão (Cunha).

Em relatório de viagem de 1717, o Conde de Assumar menciona: … o caminho a que chamam o velho – desde Parati pelas serras de muquipioca e viamitinga até a borda do campo que chamam Aparição, sendo estes, supõe-se, antigos nomes da Serra do Facão.Daí em diante sempre denominado Pouso da Aparição, aportuguesado, nome da grande fazenda sediada pela Casa Histórica preservada na Pousada dos Anjos.

Frente da Casa Histórica

Em 1751, Antônio Rolim de Moura, o Conde de Azambuja, o primeiro governador de Mato Grosso descreve com detalhes o Caminho Velho entre Aparição e Parati, na Serra do Facão: Daqui(Sítio da Piratinga) a Parati gastei dois dias; no primeiro fui no sítio da Aparição, em que experimentei o mesmo frio que no reino; o segundo me levou toda a serra do Parati, que na opinião comum, é a pior que se conhece”

Martins Lopes Lobo de Saldanha vindo tomar posse do governo de São Paulo, narra em 1775: No dia 2 de junho dormi ao pé da serra, em casa do Souza, e no dia 3 subi a serra, o mais do tempo a pé pelo impraticável caminho, e vim dormir à Aparição …

Com a abertura do Caminho Novo em 1767, Parati, Cunha, Aparição e o Caminho Velho entram em lento declínio, virando o século como rota do tráfico de escravos, mesmo após sua proibição em 1831. Em 1850 Dom Pedro II promulga a Lei Euzébio de Queirós, que passa a punir como pirataria o tráfico escravagista, eliminando-o. O café já tinha condições de segurar a economia do Caminho Velho como principal escoadouro da produção cafeeira do Vale do Paraíba.

A Estrada de Ferro Dom Pedro II chega a Guaratinguetá em 1877, substituindo o sistema tropeiro de transporte, gerando uma severa crise para Cunha e Parati, intensificada pela abolição dos escravos em 1888, acabando inexoravelmente com o Caminho Velho, conservado pela mão-de-obra escrava.

Momentos econômicos determinantes de nossa História afunilaram-se na Aparição como pouso obrigatório no trajeto Atlântico-interior. Sertanistas, bandeirantes, caçadores de índios, contrabandistas, piratas, aventureiros, soldados, mercadores, escravos, ciganos, contrabandistas, artífices, mineradores, governadores, nobres, agricultores e migrantes pernoitaram na Aparição ao longo dos séculos e converteu-se no escoadouro de grande parte do ouro e do café produzidos no Brasil e foram trazidas regras, escravos, animais, alimentos e todos os bens, equipamentos e objetos, inclusive de luxo, demandados nesses empreendimentos. Daí descobriu-se grande parte de nossa geografia, estruturou-se a economia. Contar a História da Aparição é sintetizar a História do Brasil.

Acesso a cabana, atrás dos bambus está o lago

Na Revolução de 1932, novamente o ponto estratégico da Casa Histórica da Pousada dos Anjos tornou-a palco de outras lutas. As forças de São Paulo perderam para os militares cariocas a posição estratégica da Aparição (foto), no início do enfrentamento. A Casa Histórica da Pousada dos Anjos foi utilizada como sede do comando militar e hospital de emergência pelas forças do I (?) Exército, sediadas no Rio de Janeiro Após a expulsão da família Jango, proprietários e moradores da antiga fazenda, a casa foi alvo de bombardeios aéreos, de artilharia e ataque de infantaria. Os combates concentraram-se a poucos quilômetros da Pousada, podendo-se visitar as valetas das trincheiras e outros cenários da revolução. O monumento a Paulo Virgínio, cunhense considerado herói e mártir da causa paulista, é vizinho à Pousada, convidando a uma agradável caminhada. Esta foi uma das mais aguerridas frentes de combate da Revolução Constitucionalista.

Em seguida, a Casa Histórica foi reformada e diminuída pelo herdeiro Moacir Jango. Nos anos setenta, Darci Reis adquiriu a propriedade, construiu muros, barragem, lago, cachoeira, escadas e piscina natural utilizando pedra ferro.

Marta Galloti funda a Pousada dos Anjos em 1989, a primeira de Cunha, marcando nova fase pioneira neste pedacinho estratégico. Uma encruzilhada histórica e anônima de união entre o grande mar, o Vale do Paraíba, as Minas, cafezais e as capitais Rio e São Paulo.

Foi prenúncio do novo ciclo que na atualidade revitaliza o Caminho Velho e a Estrada Real, o Turismo.

Marcos Santilli e Katia Scavacini assumiram a Pousada em 2005, reformaram-na e vieram viver na primeira pousada de Cunha, transformando-a, buscando recuperar sua história, mantendo as idéias inventivas e originais de Marta, Braga e seus filhos André, Elisa e Lia. Marcos e Katia, ele fotógrafo, ela turismóloga, sentem-se felizes pelo privilégio de criar os filhos nesse pedacinho de paraíso, esquecido no limite entre montanha e mar.

Anúncios

4 comentários sobre “Workshop com Cláudio Edinger na Pousada dos Anjos

  1. Boa tarde,

    Tenho um sitio em Cunha, mas me interessei por esse curso. Há a possibilidade de participar dos workshops e fazer as refeições na Pousada?? Neste caso, qual seria o custo??
    Grata,
    Rosa

  2. Olá Rosa, Daniele e Marenco,
    Por favor desculpe a demora em responder, tivemos um problema com a moderação dos comentários!!
    Sei que agora já não adianta, mas de qualquer forma não temos essas informações sobre as atividades da Pousada dos Anjos, estávamos apenas divulgando o workshop que parecia interessante.

    Sugerimos que entrem em contato diretamente com a Pousada para participar de futuras atividades! contato@pousadadosanjos.com.br
    Att
    Ana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s