Mitch Dobrowner

Mitch Dobrowner, de Nova York, é fotógrafo desde a adolescência, mas interrompeu esta carreira depois de casado para cuidar de seu estúdio de Design na Califórina.
Voltou a buscar as câmeras em 2005 por incentivo da própria família.

Hoje, corre atrás de águas, chuvas, tempestades, furacões.

E produz esse trabalho em P&B, ALTO CONTRASTE, BAIXA PIXELIZAÇÃO – ALTA DEFINIÇÃO E A DRAMATICIDADE PRÓPRIA A TODAS AS TEMPESTADES.

http://www.mitchdobrowner.com/




Fonte: Fernando E. Aznar

Anúncios

CAIXA Cultural São Paulo exibe a obra iconoclasta do fotógrafo German Lorca

CAIXA Cultural São Paulo exibe a obra iconoclasta do fotógrafo German Lorca
57 imagens mostram o trabalho de um artista que explorou a fotografia experimental, subjetiva e onírica no Brasil

A Caixa Cultural São Paulo inaugura, no dia 1º de março de 2011, a mostra fotográfica “German Lorca: Olhar Imaginário”, que ocupará a galeria Neuter Michelon com obras realizadas ao longo de 60 anos, entre 1949 e 2009, por esse que é um dos fotógrafos mais importantes do Brasil.
A obra de Lorca, ícone da fotografia moderna brasileira, foi sintetizada em 57 imagens pelo curador Eder Chiodetto, que optou por selecionar imagens marcantes do experimentalismo radical e a ruptura com o realismo empreendidos por Lorca. Tal atitude foi pautada pela clara influência que o artista paulistano absorveu de movimentos como o surrealismo e o concretismo.
No dia da abertura, dia 1º de março, às 19h, acontece um bate-papo entre o fotógrafo, o curador e o público. A mostra “German Lorca: Olhar Imaginário” tem patrocínio da Caixa Econômica Federal e chega a São Paulo após receber ótimas críticas da mídia durante itinerância na CAIXA Cultural de Brasília e do Rio de Janeiro no ano passado.
Nascido 100 dias após a Semana de Arte Moderna de 1922, German Lorca auxiliou de forma decisiva a implantar a fotografia de pensamento e estética modernista em meados da década de 1940 e 1950, quando atuou no Foto Cine Clube Bandeirante, em São Paulo. Hoje, aos 88 anos de idade, e em plena atividade, o artista paulistano é considerado por historiadores como um marco da fotografia experimental no Brasil. Sua produção de caráter mais subjetivo e onírico tornou-se um divisor de águas na fotografia brasileira ao atribuir à linguagem novas possibilidades de representação, por meio da introdução da ficção e da livre imaginação, em detrimento da função estritamente documental que vigorava até aquela época.
Deixando de lado o caráter de denúncia social, Lorca capitaneou no Brasil, junto com alguns de seus parceiros de Foto Clube – como Geraldo de Barros, Thomaz Farkas e Eduardo Salvatore, entre outros – uma profunda mudança de paradigma da fotografia, agregando à linguagem uma grande parcela de lirismo e de investigação estética, como poderá ser observado na mostra da CAIXA Cultural.
Esta produção, isolada na época, só voltou à tona a partir de pesquisas de acadêmicos na última década. De fato, observou-se um lapso desta atitude experimental entre as décadas de 1960 e 1980, quando a fotografia brasileira voltou-se com força para o fotojornalismo e o fotodocumentário em função do momento sócio-político do país.
A partir da restauração da democracia, a fotografia de caráter mais lúdico e experimental voltou à tona nos anos 1990, tendo a produção dos fotoclubistas, sobretudo Geraldo de Barros e German Lorca, como fonte de inspiração.
A produção de Lorca transita até hoje entre diversas áreas: arte, publicidade, reportagem, retrato e ensaio. Em todas elas, é visível um traço comum: a fotografia como ferramenta de acesso ao imaginário. A possibilidade de vislumbrar mundos paralelos ao real: o mundo da criação poética que ressignifica o entorno visível.

German Lorca
Nascido em São Paulo, em 1922, German Lorca formou-se em Ciências Contábeis pelo Liceu Acadêmico, em 1940. Em 1946, comprou uma câmara fotográfica de 35 mm da marca alemã Welti e, dois anos mais tarde, filiou-se ao Foto Cine Clube Bandeirante. Autodidata, começou a registrar a paisagem da cidade de São Paulo.
Em 1950, trabalhou no projeto de montagem do laboratório de fotografia do Museu de Arte de São Paulo (MASP), com Geraldo de Barros e Thomaz Farkas.
Barros passaria a ser uma espécie de mentor intelectual e artístico da turma do fotoclube e sobretudo de Lorca, que lhe emprestava o laboratório fotográfico instalado em sua casa, no bairro do Brás, para que ele desenvolvesse parte de sua famosa série Fotoformas.
Em 1952, Lorca abandona a carreira de contador e abre seu próprio estúdio fotográfico. Atuou comercialmente na área de publicidade, mantendo em paralelo ao longo de sua vida, até os dias de hoje, aos 88 anos, uma intensa produção de cunho mais experimental, além de registrar as transformações da cidade de São Paulo ao longo do século 20. Ganhou diversos prêmios nacionais e internacionais.

Eder Chiodetto
É mestre em Comunicação e Artes pela Universidade de São Paulo, jornalista, fotógrafo e curador independente. Atuou no jornal Folha de São Paulo como repórter fotográfico (1991 a 1995) e como editor de fotografia (1995 e 2004).
É autor do livro ‘O Lugar do Escritor’ (Cosac Naify), um dos vencedores do Prêmio Jabuti 2004, e também coordenador editorial de livros de fotografia brasileira.

Mostra fotográfica “German Lorca: Olhar Imaginário”
Local: CAIXA Cultural São Paulo (Sé) – Galeria Neuter Michelon – Praça da Sé, 111 – Centro – São Paulo/SP
Abertura: 1º de março de 2011, às 19h com visita guiada e bate-papo com o artista (para convidados e imprensa)
Visitação: 1º de março a 15 de maio de 2011
Horário: De terça-feira a domingo, das 9h às 21h
Informações, agendamento de visitas mediadas e translado (ônibus) para escolas públicas: (11) 3321-4400
Acesso para pessoas com necessidades especiais
Classificação: Livre
Entrada franca
Patrocínio: Caixa Econômica Federal
Fonte: Pedro Chang (Assessoria de Imprensa Cultural) e Marie Hippenmeyer.

Participe do Dia Mundial da Fotografia Pinhole

No dia 25 de abril será comemorado o Dia Mundial da Pinhole. O site http://www.pinholeday.org/org/ convida qualquer pessoa, de qualquer parte do mundo  a deixar de lado, por um instante o mundo altamente tecnológico em que vivemos e participar desta data, tirando uma fotografia pinhole. Quem estiver interessado em participar, deve escanear sua imagem fotográfica e enviar para este site. Esta fotografia fará parte da galeria on-line anual de celebração do Dia Mundial da fotografia pinhole.

Este site possui 3203 imagens de  fotógrafos de 70 países.Todas as fotografias desta coleção foram fotografadas sem lente, com a câmera pinhole. Veja a baixo, algumas fotografias desta galeria:
Foto: Piet Facklem – Alemanha

 

Foto: N.Smith – Austrália

 

Foto de Pedro Gil – Portugal

 

Foto de Saroch Hong Thony – Tailândia

 

Foto de Sue Denhalm – Nova Zelândia

O Dia Mundial da fotografia pinhole acontece anualmente no último domingo do mês de abril. Ele foi estabelecido para celebrar o prazer da pura criatividade em usar como meio a fotografia sem lente. Um dispositivo tão simples como uma caixa de papelão com um pequeno furo pode criar imagens inspiradoras.

 O que é a técnica pinhole?
Uma câmera pinhole é uma máquina fotográfica sem lente. A designação tem por base o inglês, pin-hole, “buraco de alfinete”. Este tipo de fotografia é uma prática econômica e simples, pois utiliza qualquer caixa preta a em que a luz não penetre.De um pequeno orifício onde a luz é captada para dentro da  câmera, e sofrendo um movimento de inversão, a imagem é projetada para a parede oposta ao orifício ao contrário.Para produzir uma imagem razoavelmente nítida, a abertura  tem que ser um furo pequeno na ordem de 0,02 polegadas (0,5 mm) ou menos. O obturador  da câmera pinhole geralmente consiste de uma mão espalmada ou de algum material à prova de luz para cobrir e descobrir o furo. As câmeras pinhole requerem um tempo maior de exposição do que as câmeras  convencionais devido à pequena abertura; os tempos de exposição vão de 5 segundos a até mais de uma hora.

câmeras pinhole

** VEJA NESTE SITE O MANUAL PARA VOCÊ CONSTRUIR SUA CÂMERA PINHOLE: http://www.eba.ufmg.br/cfalieri/frame.html

*** VEJA NESTE VÍDEO A CONSTRUÇÃO DA CÂMERA PINHOLE: http://www.youtube.com/watch?v=amOqmolX0iE

Mostra Coletiva virtual “A Moment in Time”

O jornal americano The New York Times promove, no dia 2 de maio, às 15h a mostra coletiva virtual “A Moment in Time”.
Aberta a fotógrafos amadores ou profissionais de todas as partes do mundo,as imagens devem ser capturadas exatamente às 15h (12h no horário de Brasília) do dia 2 de maio, e enviadas em seguida pelo link: http://submit.nytimes.com/moment. O endereço eletrônico será ativado no mesmo dia e horário em que as fotografias devem ser realizadas.
Para efetuar o envio, o participante deve informar o local e o tema da fotografia, fazer o upload da mesma e lhe dar uma legenda. O arquivo deve ter, no máximo, 5MB e 1.000 pixels de largura. As imagens não devem sofrer alterações, sendo permitidos apenas ajustes de brilho e contraste.
O projeto não apresenta uma temática específica, mas a organizão odo evento sugere os seguintes temas: comunidade, música, trabalho, família, relacionamentos, meio ambiente, religião, artes, entretenimento, economia e assuntos sociais.As fotografias selecionadas serão publicadas no mesmo dia no blog Lens, do The New York Times.

Exposição “Marie Hippenmeyer: Preto e Branco” na Caixa Cultural


As 26 fotos em preto e branco, técnica usada que define o nome da exposição, fazem parte da mostra que será exposta na Caixa Cultural São Paulo (Sé), dos dias 17 de abril a 23 de maio de 2010, da fotógrafa suíça radicada no Brasil há 13 anos, Marie Hippenmeyer.

Com imagens produzidas no Brasil e na Europa, Preto e Branco empreende uma espécie de retorno subjetivo ao passado da própria artista, onde a memória das paisagens da sua infância e juventude ganha formas voláteis como as imagens de um sonho. O ensaio aponta para a possibilidade de memória e imaginação serem dois lados, inevitavelmente interligados, na mesma narrativa.

Ao romper com a linearidade narrativa, o ensaio fotográfico se estrutura a partir de fragmentos, como passagens literárias e colagens de cenas de filmes.

A artista promoverá um bate-papo seguido de uma visita guiada para o público no dia 23 de abril, às 19 horas, a fim de suscitar um diálogo acerca das possibilidades expressivas da fotografia.

Marie Hippenmeyer é um fotógrafa suíça radicada no Brasil há 12 anos.

Retrospectiva 2009- 5ª Mostra Anual de Fotojornalismo

Um panorama dos fatos e imagens que marcaram o ano de 2009. Esta é a tônica da exposição Retrospectiva 2009 – 5ª Mostra Anual de Fotojornalismo, promovido e organizado pela ARFOC-SP (Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos no Estado de São Paulo), que entra em cartaz a partir do dia 23 de abril, no Espaço Cultural Conjunto Nacional, na Avenida Paulista.

Ao todo são 80 painéis com fotos que contam um pouco do ano que passou, por meio do olhar de 67 profissionais do estado de São Paulo. Além de imagens de temas que foram notícia em 2009, há também visões particulares dos fotojornalistas sobre determinados temas, ou retratos de personalidades importantes do país.

Este é o quinto ano consecutivo que a ARFOC-SP promove o evento e no processo de seleção, 116 profissionais enviaram fotografias, que somadas, chegou a um total de 320 imagens recebidas pela organização.

Expositores:

Ailton Cruz
Edilson Dantas
Marcelo Ferrelli
Reinaldo Canato
Alinne Rezende
Eduardo Knapp
Marcelo Justo
Ricardo Matsukawa
Aloisio Mauricio
Eduardo Nicolau
Marcos Ribolli
Ricardo Nogueira
André Henriques
Ernesto Rodrigues
Marlene Bergamo
Rivaldo Gomes
André Lessa
Evelson de Freitas
Mauricio Lima
Robson Ventura
Andre Penner
Fabio Braga
Michela Brígida
Rodrigo Capote
Apu Gomes
Fernando Donasci
Moacyr Lopes Jr
Rodrigo Coca
Ayrton Vignola
Fernando Pilatos
Monica Bento
Rubens Chiri
Bruno Cecin
Guilherme L. Campos
Nario Barbosa
Sebastiao Moreira
Carlos Bassan
Hélvio Romero
Nelson Antoine
Sergio Barzagh
Celso Junior
JF Diorio
Nelson Chinalia
Sergio Dutti
Cesar Greco
Joel Silva
Nilton Cardin Sidnei Costa
Claudinei Plaza
Jonne Roriz
Nilton Fukuda
Thiago Bernardes
Claudio Capucho
Jorge Araujo

Orlando Filho
Tiago Queiroz
Daniel Mobilia
Jose Cordeiro
Paulo Liebert
Valéria Gonçalvez
Danilo Verpa
Keiny Andrade
Paulo Pinto Zanone Fraissat
Djalma Vassão
Leandro Ferreira
Paulo Whitaker

Exposição elegerá a Foto do Ano e tem patrocínio da Nike
A 5ª Mostra Anual de Fotojornalismo da ARFOC-SP parocinada pela Nike, empresa de material esportivo, tem novidades. Este ano, através de uma página criada pelo portal UOL, internautas poderão eleger a Foto no Ano. Com isso, o autor da fotografia será premiado com uma passagem de ida e volta e estada paga em Salvador, oferecida pelo Hotel Bourbon Convention Ibirapuera.

Além disso, haverá uma segunda premiação, por outra forma de escolha da Foto do Ano, cujo prêmio será um vale compra no valor de R$ 2 mil, oferecido pela Angel Foto, loja especializada em equipamentos de fotografia. A exposição conta ainda com apoio cultural do laboratório fotográfico Instancolor e da marca de vinhos Almadém.

ASSOCIAÇÃO DE REPÓRTERES FOTOGRÁFICOS E CINEMATOGRÁFICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

A Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos no Estado de São Paulo, ARFOC-SP, é uma sociedade civil de cunho cultural, sem fins lucrativos e destituída de caráter político-partidário. A ARFOC-SP tem como objetivo incentivar e desenvolver ações culturais no estado de São Paulo, representando seus associados nas questões relacionadas à imagem fotográfica e cinematográfica.

SERVIÇO
Abertura 23/04/2010 – sexta-feira
Horário: das 19 às 21h
Local: Espaço Cultural Conjunto Nacional
Endereço: Avenida Paulista, 2073, Cerqueiras César – SP

Visitação
Data: de 24/04/2010 a 15/05/2010
Horários: Seg. a sex., das 07 às 21h
Sáb. e dom., das 10 às 21h
Patrocínio Nike

Estética revolucionária de Guy Bourdin vira documentário

Guy Bourdin

Não tão popular para sua época, o artista visual Guy Bourdin teve maior reconhecimento depois de falecer, em 1991, pelo de seu filho Samuel, que fez questão de divulgar fotos exclusivas em vários museus mundo afora. Isso não significava que sua família não tivesse comprometimento com suas imagens, pelo contrário, como mostra o processo jurídico que Madonna levou depois de usufruir de fotos do autor em seu clipe Hollywood (2004).

Guy guardava os negativos em caixas de sapatos e já ameaçou colocar fogo nelas. Nunca quis publicar livros e nem realizar exposições. Dizia que suas obras deveriam ser consumidas em revistas de moda e esquecidas no mês seguinte, além de não aceitar que uma foto fosse veiculada por outra mídia para qual não foi feita.

Influenciado pelos surrealistas Magritte, Balthus e Bunel, nomes como David LaChapelle, Nick Kight e David Lunch, usaram do seu trabalho como fonte de inspiração.

Guy Bourdin

Parisiense, nasceu em 1928 e foi abandonado pela mãe um ano depois. Recrutado pelo exército francês, viveu no Senegal, onde começou a ter aulas de fotografia. Como tinha grande habilidade como desenhista, fazia inúmeros rascunhos antes de fotografar.

Protegido de Man Ray, em 1950 começou a trabalhar na Vogue Francesa e se destacou pelo estilo ousado, suas cores saturadas, enquadramentos atípicos e composições surrealistas. Suas fotos em paginas duplas, tinham uma personalidade erótica, violenta e irônica, um jogo de real e irreal que transformou a fotografia de moda.

Guy Bourdin

Ganhou prestígio com campanhas para Chanel, Issey Miyake, Versace e Bloomingdale`s. Tornou-se referência em publicidade, pelo seu trabalho para a marca de sapatos Charles Jourdan, durante 14 anos de profissão.

Quem teve a oportunidade de conhecer seu trabalho na exposição do ano passado no MUBE -“Messenger for you”-, irá se entusiasmar muito com o trailler que caiu na rede essa semana, do documentário “When Sky Feel Down – The mythof Guy Bourdin”, dirigido por Sean Brandt. O filme conta com 250 imagens exclusivas, depoimentos de personalidades como Mick Jagger, Annie Lennox, David Bowie, Jane Birken e Catherine Deneuve. Sem data de estréia, a realização do filme tem o apoio da família do artista.

Assista ao trailer do documentário When Sky Feel Down – The mythof Guy Bourdin: