A fotografia perdida de Vivian Maier

Uma mulher socialista, feminista e apaixonada pelo cinema europeu foi descoberta pelo fotógrafo documental John Maloof, que atualmente trabalha no arquivamento das imagens de Vivian Maier, ainda misteriosa quanto suas informações.

Vivian nasceu no dia 1 de fevereiro de 1926 e faleceu em abril de 2009. Foi nessa mesma época que Maloof descobriu suas fotos em um leilão de móveis de antiguidades em Chicago, onde residiu a maior parte de sua vida. Foram mais de 100.00 negativos de médio formato e toneladas de rolos subdesenvolvidos.

Seu trabalho percorre cerca de 30 anos na história, e mostra Chicago dos anos 50. Existem muitas fotografias de crianças na praia, o que fez Maloof descobrir que ela foi babá de uma família do norte de Chicago.

Seus negativos ficavam em uma sala de armazenamento, e pela falta de dinheiro para pagar o aluguel, a empresa colocou seus pertences em um leilão. Não compartilhou seu trabalho documental com ninguém, porém nunca tirava a câmera do pescoço.

Aprendeu a falar inglês com o teatro, e trabalhou como balconista em uma loja de doces de Nova York, nos anos 30. Tinha uma personalidade de “poucos amigos”, vestindo-se com trajes masculinos e chapéus enormes. Nos anos 90, desempregada e sem moradia, foi apoiada financeiramente pelos meninos que tinha trabalhado na casa anos antes.

Maloof, ao encontrar as fotos, se apaixonou pelo seu trabalho, e depois de muita pesquisa, descobriu seu nome escrito em um papel de laboratório. Tentou procurá-la ainda viva, mas estava muito doente. Logo após seu falecimento, sua busca levou-o a Câmara Central da Empresa, no centro de Chicago, uma loja estabelecida no final do século XIX, e de acordo com os funcionários, ela era auto-suficiente, e sabia exatamente o que queria.

Inspirado pelo trabalho de Vivian, compartilha fotos de informações em seu blog (http://vivianmaier.blogspot.com/), e pretende publicar um livro do trabalho desse exemplo de poder criativo e silencioso.

*Todas as fotos são de autoria de Vivian Maier.

Anúncios

Foto do dia 16/04: Marcos Santilli/Ímã Foto Galeria

Marcos Santilli/Ímã Foto Galeria

“Fotografada em Brasília, alguma ponta de cidade satélite.
Para mim, o autor suspeito, sugere o pensamento de que antigamente as cidades brasileiras formavam-se ao redor da praça da igreja matriz. Hoje, as comunidades nacionais agrupam-se em torno da parabólica e do campo de futebol.”
José Marcos Brando Santilli (Assis SP 1951) é fotógrafo, curador e produtor cultural. No início da década de 1970, abandona o curso de artes e arquitetura da Universidade de Brasília – UnB para atuar como fotojornalista nos periódicos Diário de BrasíliaJornal de Brasília. Estuda fotografia na escola Agfa Gevaert, em 1973, em Londres, e de volta ao Brasil, entre 1974 e 1978, fotografa para a sucursal da Editora Abril em Brasília. Paralelamente, inicia projeto de documentação audiovisual e fotográfica das transformações sociais e ambientais em Rondônia e no Acre. No começo dos anos 1980, transfere-se para São Paulo e trabalha no Instituto de Documentação e Artes da Prefeitura Municipal. Empenhado na melhoria das condições de trabalho dos fotógrafos, em 1977 e 1978, torna-se vice-presidente da União dos Fotógrafos de Brasília e, de 1981 a 1982, da União dos Fotógrafos de São Paulo, e é um dos membros-fundadores do Núcleo dos Amigos da Fotografia – NAFoto. De 1998 a 2003, dirige o Museu da Imagem e do Som de São Paulo – MIS/SP. No decorrer de sua carreira, recebe diversas bolsas de estudo nas áreas de fotografia, cinema, vídeo e informática, entre as quais se destacam as concedidas pela John Simon Guggenheim Memorial Foundation, em 1981, pela Fundação Vitae, em 1988, e pela The Fulbright Commission, em 1989. É autor dos livros Are, 1987; Madeira-Mamoré Imagem e Memória, 1987; e Amazon.

“O material fotográfico obtido tem tal eloqüência que, com ele, Marcos Santilli consegue articular um discurso sobre a colonização da Rondônia, praticamente sem lançar mão do recurso da palavra, a não ser para localizar as fotos no tempo e no espaço. As imagens são precisas em sua intenção antropológica, acompanhando minuciosamente todo o processo de obtenção do ouro no garimpo, o trabalho do seringueiro, o processamento da mandioca pelos índios, ou os vários métodos de desmatamento. O fotógrafo disseca a região com o olhar de um analista, busca os detalhes significantes, examina o rosto de um ex-ferroviário parte por parte, observa a miscigenação de uma família imigrante ao longo das sucessivas gerações”.

Arlindo Machado

“(…) O espectador segue a saga dos índios, ferroviários, seringueiros, garimpeiros, colonos. Acompanha, através dos rostos, a caminhada irreversível do tempo. E agora, já dono das imagens, que por sua vez cativou, fica com vontade irresistível de, tantos quilômetros e imagens percorridos, tomar o caminho de volta, mais uma vez. E, junto com o fotógrafo, abraçar a imensidade do espaço, apanhar o sol, mergulhá-lo de novo no rio e aconchegar as vidas dentro da luminosidade do ar, transparência da água e calor do sol. E preservá-las assim, para sempre”.

Stefania Bril

Mostras individuais

1980 – Índios, Galeria Fotóptica, São Paulo

1981 – Fazendas de Café do Vale do Paraíba, Museu da Imagem e do Som, São Paulo

1981 – Bixiga, uma Pesquisa Urbana, Museu da Imagem e do Som, São Paulo

1985 – Nharamaã, a Pré-História de um Estado, Centro Cultural São Paulo

1989 – Madeira-Mamoré, Funarte, Rio de Janeiro

1993 – Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, uma Aventura Fotográfica, Museu da Imagem e do Som, São Paulo

Exposições coletivas

1976 – Bienal Nacional 76, Fundação Bienal de São Paulo

1979 – 1ª Mostra de Fotografia, Funarte, Rio de Janeiro

1981 – The New YorkBotanic Garden, The Peabody Museum, Nova Iorque, Estados Unidos

1984 – 3º Colóquio Latino-Americano de Fotografía, Casa de Las Américas, Havana, Cuba

1984 – Tradição e Ruptura: auto-retrato do brasileiro, Fundação Bienal de São Paulo

1992 – Brasilien: entdeckung und selbstentdeckung, Kunsthaus, Zurique, Suiça

1994 – FotoFest’94. The Fifth International Festival of Photography The Global Environment, Houston, Estados Unidos

1998 – Amazônicas, Itaú Cultural, São Paulo

1999 – Brasilianische Fotografie 1946 bis 1998, Kunstmuseum, Wolfsburg, Alemanha

2002 – Visões e Alumbramentos: fotografia contemporânea brasileira da coleção Joaquim Paiva, Oca, São Paulo

Leia nesta matéria um pouco mais sobre a fotografia de Marcos Santilli: http://www.imafotogaleria.com.br/noticias/noticia.php?cdTexto=571

Exposição “Marie Hippenmeyer: Preto e Branco” na Caixa Cultural


As 26 fotos em preto e branco, técnica usada que define o nome da exposição, fazem parte da mostra que será exposta na Caixa Cultural São Paulo (Sé), dos dias 17 de abril a 23 de maio de 2010, da fotógrafa suíça radicada no Brasil há 13 anos, Marie Hippenmeyer.

Com imagens produzidas no Brasil e na Europa, Preto e Branco empreende uma espécie de retorno subjetivo ao passado da própria artista, onde a memória das paisagens da sua infância e juventude ganha formas voláteis como as imagens de um sonho. O ensaio aponta para a possibilidade de memória e imaginação serem dois lados, inevitavelmente interligados, na mesma narrativa.

Ao romper com a linearidade narrativa, o ensaio fotográfico se estrutura a partir de fragmentos, como passagens literárias e colagens de cenas de filmes.

A artista promoverá um bate-papo seguido de uma visita guiada para o público no dia 23 de abril, às 19 horas, a fim de suscitar um diálogo acerca das possibilidades expressivas da fotografia.

Marie Hippenmeyer é um fotógrafa suíça radicada no Brasil há 12 anos.

Retrospectiva 2009- 5ª Mostra Anual de Fotojornalismo

Um panorama dos fatos e imagens que marcaram o ano de 2009. Esta é a tônica da exposição Retrospectiva 2009 – 5ª Mostra Anual de Fotojornalismo, promovido e organizado pela ARFOC-SP (Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos no Estado de São Paulo), que entra em cartaz a partir do dia 23 de abril, no Espaço Cultural Conjunto Nacional, na Avenida Paulista.

Ao todo são 80 painéis com fotos que contam um pouco do ano que passou, por meio do olhar de 67 profissionais do estado de São Paulo. Além de imagens de temas que foram notícia em 2009, há também visões particulares dos fotojornalistas sobre determinados temas, ou retratos de personalidades importantes do país.

Este é o quinto ano consecutivo que a ARFOC-SP promove o evento e no processo de seleção, 116 profissionais enviaram fotografias, que somadas, chegou a um total de 320 imagens recebidas pela organização.

Expositores:

Ailton Cruz
Edilson Dantas
Marcelo Ferrelli
Reinaldo Canato
Alinne Rezende
Eduardo Knapp
Marcelo Justo
Ricardo Matsukawa
Aloisio Mauricio
Eduardo Nicolau
Marcos Ribolli
Ricardo Nogueira
André Henriques
Ernesto Rodrigues
Marlene Bergamo
Rivaldo Gomes
André Lessa
Evelson de Freitas
Mauricio Lima
Robson Ventura
Andre Penner
Fabio Braga
Michela Brígida
Rodrigo Capote
Apu Gomes
Fernando Donasci
Moacyr Lopes Jr
Rodrigo Coca
Ayrton Vignola
Fernando Pilatos
Monica Bento
Rubens Chiri
Bruno Cecin
Guilherme L. Campos
Nario Barbosa
Sebastiao Moreira
Carlos Bassan
Hélvio Romero
Nelson Antoine
Sergio Barzagh
Celso Junior
JF Diorio
Nelson Chinalia
Sergio Dutti
Cesar Greco
Joel Silva
Nilton Cardin Sidnei Costa
Claudinei Plaza
Jonne Roriz
Nilton Fukuda
Thiago Bernardes
Claudio Capucho
Jorge Araujo

Orlando Filho
Tiago Queiroz
Daniel Mobilia
Jose Cordeiro
Paulo Liebert
Valéria Gonçalvez
Danilo Verpa
Keiny Andrade
Paulo Pinto Zanone Fraissat
Djalma Vassão
Leandro Ferreira
Paulo Whitaker

Exposição elegerá a Foto do Ano e tem patrocínio da Nike
A 5ª Mostra Anual de Fotojornalismo da ARFOC-SP parocinada pela Nike, empresa de material esportivo, tem novidades. Este ano, através de uma página criada pelo portal UOL, internautas poderão eleger a Foto no Ano. Com isso, o autor da fotografia será premiado com uma passagem de ida e volta e estada paga em Salvador, oferecida pelo Hotel Bourbon Convention Ibirapuera.

Além disso, haverá uma segunda premiação, por outra forma de escolha da Foto do Ano, cujo prêmio será um vale compra no valor de R$ 2 mil, oferecido pela Angel Foto, loja especializada em equipamentos de fotografia. A exposição conta ainda com apoio cultural do laboratório fotográfico Instancolor e da marca de vinhos Almadém.

ASSOCIAÇÃO DE REPÓRTERES FOTOGRÁFICOS E CINEMATOGRÁFICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

A Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos no Estado de São Paulo, ARFOC-SP, é uma sociedade civil de cunho cultural, sem fins lucrativos e destituída de caráter político-partidário. A ARFOC-SP tem como objetivo incentivar e desenvolver ações culturais no estado de São Paulo, representando seus associados nas questões relacionadas à imagem fotográfica e cinematográfica.

SERVIÇO
Abertura 23/04/2010 – sexta-feira
Horário: das 19 às 21h
Local: Espaço Cultural Conjunto Nacional
Endereço: Avenida Paulista, 2073, Cerqueiras César – SP

Visitação
Data: de 24/04/2010 a 15/05/2010
Horários: Seg. a sex., das 07 às 21h
Sáb. e dom., das 10 às 21h
Patrocínio Nike

Foto do dia 14/04: Tuca Vieira/Ímã Foto Galeria

Tuca Vieira/Ímã Foto Galeria

Esta foto faz parte do seu trabalho Um Caminho nas Índias que esteve em exposição na Galeria Paul Mitchell, em São Paulo, no ano de 2002. Como forma de homenagem ao ano novo indiano de acordo com o calendário solar hindu, celebrado hoje no nordeste da Índia com a festa de Rongali Bihu, que marca o início da primavera e de uma nova temporada para a agricultura, compartilhamos aqui esta foto do Tuca Vieira que faz parte do acervo da galeria.

Tuca Vieira é fotógrafo desde 1991. Formou-se em Letras pela Universidade de São Paulo em 1998. Estudou fotografia com Cláudio Feijó, Eduardo Castanho, André Douek, Nair Benedicto e Eder Chiodetto. Trabalhou no Museu da Imagem e do Som, na Agência N-Imagens e como free-lancer. Fez parte da equipe de fotógrafos da Folha de S. Paulo de 2002 a 2009. Tem trabalhos publicados nos principais jornais e revistas brasileiros. Fez quatro exposições individuais: A Luz da Terra da Sol (1994) e Um Caminho nas Índias (2002), Fotografia de rua, Brasília (2007) e Fotografia de rua em São Paulo (2008); participou das coletivas Foto São Paulo (2001) e Fotojornalismo São Paulo, Retrospectiva 2004. É vencedor do Prêmio Folha de jornalismo – categoria fotografia (2003) e do Prêmio Grupo Nordeste de Fotografia – categoria profissional (2005). Atualmente está com a exposição coletiva Do Espaço Estilhaçado na galeria Micasa, que se encerra no dia 17 de abril. É autor, em parceria com o jornalista Marcelo Coelho, do livro As Cidades do Brasil -São Paulo, pela Publifolha(2005).

Se quiser mais fotos do Tuca visite nosso site: http://www.imafotogaleria.com.br/galeria/fotografo.php?cdFotografo=132

Foto do dia 13/04: Lalo de Almeida/Ímã Foto Galeria

Lalo de Almeida/Ímã Foto Galeria

Menino Evangélico caminha com sua guitarra em Jardim Paraná, Zona Norte de São Paulo. Esta foto faz parte do projeto “Periferias”.

Lalo estudou fotografia do Instituto Europeo di Design em Milão na Itália. Ingressou no fotojornalismo trabalhando em pequenas agências milanesas cobrindo a crônica policial da cidade. Depois trabalhou para a agência Grazi Neri, aonde cobriu assuntos nacionais e internacionais como a guerra da ex-Iugoslávia.

De volta ao Brasil trabalhou para o jornal Estado de S. Paulo, a revista Veja e outras publicações. Desde 1995 é fotógrafo do jornal Folha de S. Paulo, além de colaborar com publicações internacionais como o The New York Times.

Paralelamente vem realizando trabalhos de fotografia documental como o projeto “O Homem e a Terra” sobre as populações tradicionais brasileiras, que recebeu o prêmio máximo da I Bienal de Fotografia de Curitiba em 1996 e foi indicado ao Internationalier Preis Fur Jungen Bildjournalismus em 2003 na Alemanha.

É autor das fotografias do livro Nas Asas do Correio Aéreo lançado em 2002.

Essa foto faz parte do acervo da galeria. Para ver mais fotógrafos do nosso acervo visite nosso site: http://www.imafotogaleria.com.br/galeria/

Exposição: Pierre Verger: Um Olhar sobre Buenos Aires

A exposição que a Galeria Marta Traba do Memorial da América Latina inaugura na quarta-feira, 14 às 19h30, traz pela primeira vez ao Brasil a obra completa e autenticada de Pierre Verger em sua passagem pela Argentina alguns anos antes de ter se radicado na Bahia.

O projeto é do pesquisador e professor livre docente da Unicamp, Fernando de Tacca, curador da exposição, concebido quando ele assumiu a cátedra de Estudos Brasileiros da Universidade de Buenos Aires, em 2004. Na abertura da exposição Fernando de Tacca detalhará em bate-papo com os convidados os detalhes dessa aventura – a dele, e a de Pierre Verger na Argentina.

A mostra reúne as fotografias de Verger publicadas na revista Mundo Argentino e no jornal Argentina Libre no inicio dos anos 40. Segundo Tacca, o ineditismo da sua pesquisa está na autenticação das publicações de fotografias de Verger que ainda não se conhecia.

“Trata-se de um volume muito expressivo de fotografias publicadas em curto período. E é a primeira vez que uma exposição sobre Verger se centra na produção realizada em Buenos Aires”, explica Tacca. Na exposição, as fotos escolhidas por ele poderão ser identificadas com a imagem original correspondente à publicação na revista ou no jornal.

Está sendo lançada também juntamente com a Mostra a edição especial da Revista Studium 30 – Exposição”Pierre Verger: Um Olhar sobre Buenos Aires”

A Revista Studium em parceria com o Memorial da América Latina (São Paulo), apresenta uma edição temática que acompanha a exposição /”Pierre Verger: Um Olhar sobre Buenos Aires/”, resultado da pesquisa do Prof. Dr. Fernando de Tacca, da UNICAMP, sobre a produção fotográfica de Pierre Verger na Argentina nos anos 1941/1942. Nesta edição convidamos especialistas na vida e na obra de Pierre Verger para contextualizar sua formação intelectual e artística nos anos trinta e a produção imagética do fotógrafo em terras portenhas.

Para ver as publicações da Revista Studium: http://www.studium.iar.unicamp.br/

Link com divulgação no site do Memorial da América Latina: http://www.memorial.sp.gov.br/memorial/RssNoticiaDetalhe.do?noticiaId=1719

Serviço
15 de abril a 13 de maio
Pierre Verger: Um Olhar sobre Buenos Aires
Na abertura, dia 14, às 19h30, bate-papo com o curador Fernando de Tacca Apoio da Fundação Pierre Verger (htpt://pierreverger.org)
Galeria Marta Traba, terça a domingo, das 9h às 18h
Entrada franca